Como uma contabilidade na Penha pode traçar o seu perfil de liderança – Parte 2

Na segunda parte da série de textos, conheça outros tipos de liderança que a contabilidade na Penha pode auxiliar a traçar

Como promessa é dívida, chegamos com o segundo texto dos artigos que irão falar sobre a série de perfis de lideranças em uma empresa e como esses perfis podem ser traçados através de serviços de contabilidade na Penha. Você, como líder de uma empresa, precisa estar focado em qual perfil de liderança se encaixa melhor à sua equipe de trabalho, sua empresa e o mercado, além de saber o que precisa ser mudado, o que pode agregar à sua empresa, passando diretamente pela sua postura, ou pela mudança dela. Confira, então, a segunda parte da série de artigos sobre o tema liderança e saiba como a contabilidade na Penha pode ser uma mão na roda nessa sua busca pela postura perfeita como líder.

Marcador de ritmo

O líder marcador de ritmo é o típico líder viciado em trabalho. Os americanos estão acostumados a usar o termo workaholic para se referir a esse tipo de liderança.

O lado positivo é que os líderes marcadores de ritmo tendem a ser motivadores de equipe, e caso gerem empatia em pessoas motivadas por retrospectos, resultados e cumprimento de metas, pode fechar uma equipe empenhada.

Já o lado negativo estão nos excessos, primeiramente o vício pelo desempenho que pode fazer com que o líder acumule horas a fio de trabalho, prejudicando-se em saúde e comprometendo a sua vida social, além da tendência de cobrar a mesma postura dos liderados, gerando conflitos.

É importante que a contabilidade na Penha, ao observar o mercado, os funcionários e o líder, tome medidas que evite a colisão de ideias entre o viciado por metas e resultados e o acomodado, achando um equilíbrio entre as partes, em prol da produtividade da empresa.

Paternal

O líder paternal preza sempre por um relacionamento familiar entre os seus liderados, para isso a sua referência geralmente é carinhosa, conselheira e agregadora. Contudo, o ônus dessa postura de liderança é a produtividade, já que a tendência de um líder paternal é se preocupar muito mais com o fator humano do que com os números da empresa, muito porque ele não sabe cobrar e tem medo de passar uma impressão negativa, quando passa da sua postura natural de busca por aplicação.

Muitas vezes, a postura do líder paternal é vista como louvável, mas no mundo corporativo, independentemente de algo ser moralmente positivo, o resultado é o que move. Se de um lado, a postura do líder com perfil mais de paizão pode agregar a sua equipe trabalhando para si, por outro a sua postura mais liberal pode deixar alguns liderados relaxados.

Cabe, então, a contabilidade na Penha, ao identificar essa postura, bem como a forma em que a empresa, liderados e mercado tem respondido, trabalhar uma postura agregadora, mas sem esquecer da postura, a esse líder.

Técnico

Bem como o líder de postura paternal, o líder técnico é um cara de família, que quer trazer a sua equipe para si. Entretanto, a forma com que o líder técnico busca agregar a sua equipe é diferente do líder paizão, já que o líder técnico, em busca da unidade em sua equipe, trabalha a proximidade por meio do autoconhecimento e do despertar das qualidades e do empenho dos seus liderados

Mas se de um lado o empenho do líder técnico gera um nível de profissionalização maior aos seus liderados, por outro lado a sua postura pode, por vezes, parecer pasteurizada, já que ele tende a ver sempre a gestão de pessoas algo corrigível com treinamentos, capacitações e workshops, sempre de cunho técnico, esquecendo um pouco a importância do tratamento humano, que conta muito na gestão de uma empresa.

Cabe, então, a contabilidade na Penha, achar a medida entre o profissional e o pessoal, dando um pouco de tato paternal ao líder empenhado apenas com o sucesso técnico. A qualificação do autoconhecimento é fundamental no enquadramento desse tipo de ação.

Facebook Twitter Google+ linkedin email More